terça-feira, 10 de março de 2015

Os nossos dias.

Estes dias de sol dão logo uma outra alegria à vida. As horas de luz são mais e se conseguir sair do trabalho às 18h45 ainda é "de dia"! Aproveitamos todos os bocadinhos que temos.

O homem tem sido "pai e mãe" para o Di. Ainda estamos a "limar arrestas" na logística, mas sem dúvida, faz muito bem aos dois passarem mais tempo juntos.

Os nossos dias andam mais ou menos assim:
(não é assim tão linear porque há sempre qualquer coisa como "cocós de última hora", "mijadelas para o alto"...)

6h00/6h15 A hora de levantar depende do que ainda preciso de fazer. Os rituais são mais ou menos os mesmos: acordar, tomar pequeno almoço, arranjar-me, organizar os comeres;
7h00          Acordar o Di, vesti-lo...e gritar ao pai: "faz o leitinho!!!!!";
7h30          Sair de casa;  

 7h40 Pronto para entrar na escolinha.

Antes das 8h00 estou no emprego e por lá permaneço até às 19h00 (ou depois disso);

Às 17h15 o pai vai buscá-lo à creche, dá-lhe o jantar, brincam, trata do banho e veste o pijaminha;

Quando eu chego a casa, se ele ainda estiver acordado, vamos brincar (mas tento encaixar o "fazer o jantar");

A hora de deitar nunca é igual. Já teve uma fase em que era religioso no horário, mas agora depende de muitas variantes: mais cansado, menos cansado, mas carente, menos carente. 
Não adianta ir mete-lo na cama se ele não está para aí virado. Mais vale aproveitarmos mais e quando ele estiver KO ir deita-lo.

Se eu estiver muito cansada adormeço primeiro que o cachopo. Há dias em que dá para ir ao pc (como hoje!), ler um bocadinho, ou fazer zapping (raro, muito raro);

Ou seja, de emocionante a minha vida tem muito pouco. 

O safadeco foi apanhado!
 Aproveita sempre que pode: foge para a casa de banho e vai abrir torneiras. É uma festa para ele.
...e ainda só gatinha. Quando andar, ninguém o segura.