sexta-feira, 27 de junho de 2014

Modernices que dão um jeitão...

Nota para a MK...e para outras grávidas/mães - espero que o post possa dar algumas ideias.
Nota geral - oh não! mais um post de bebés!!!!

A minha mãe diz que no tempo dela não havia nada...mas eu acho que se agora há, o melhor é aproveitar. 

Alguns produtos serão versões modernas de coisas já existentes, mas sou da opinião que só devemos comprar o que acharmos que vamos MESMO utilizar. Os bebés são todos diferentes (tal como nós) e o que resulta para uns, pode não funcionar para os outros. 
Se não houver ninguém que possa emprestar para utilizar continuamente (especialmente nas coisas mais duvidosas e caras) tentem arranjar emprestado apenas para experimentar. Comprar e não usar, faz mal ao bolso e à alma! 

Termómetro de banho e casa
Termómetro da "Avent". 

Uso nas duas vertentes: para ver a temperatura da casa e da água (flutua). No hospital, os enfermeiros diziam-me:  "vê a temperatura pelo pulso". Isso é muito bonito e torna-se realidade... depois de umas semanas! Agora, já acerto na temperatura sem precisar do termometro, mas mesmo assim, volta na volta confirmo. Para uma mãe (e então de primeira viagem!) escaldar o cachopo com dias, não é uma coisa que se queira fazer. Nunca fiando...
Comprei na "amazon.co.uk" - ficou em metade do preço de cá, que ronda os 22.00€ - mas nessa altura os portes para Portugal eram gratuitos e compensava mais.

Marsúpio

Esta opção é bastante válida, especialmente quando precisamos de ter as duas mãos livres ou se o quero mais aninhado ao je (apesar de me fazer um bocado de confusão ele enfiar a cara contra mim e a única coisa que vejo é cabelo).
O D. gosta e já usamos em passeio, nos centros comerciais, no supermercado. Para o proteger mais, cubro com uma manta e há pessoas que nem se apercebem que levo um bebé "pendurado" (devem só pensar que ainda estou grávida e ando com um cobertor a tapar a barriga!).
Até agora, usei sempre virado para mim, mas como ele já está "cusco" e o bom tempo parece estar para ficar, vou começar a virá-lo para a frente.
Só tive contacto com este marsúpio (porque foi emprestado) e acho que é excelente porque se "monta e desmonta" bastante bem. Aconselho a que, antes de adquirirem, experimentem diversos para verem o que melhor se adapta a vocês, se estão confortáveis e se sentem segurança no producto.
Não comprei. Foi emprestado. 
Baby Bjorn - a partir de 79.90€.

Aplicações de telemóvel 

Antigamente, era com um elástico que as mães sabiam se tinham dado mama da esquerda ou da direita. O elástico foi substituído pelo telemóvel. Uma coisa que acho super vantajosa é sabermos as horas, quantidades (no caso dos biberões). Com as jornadas de amamentações durante a madrugada, uma pessoas (eu) começa a confundir a que horas é que ele comeu ("...mas isso vou já hoje ou foi ontem?").
Há diversas aplicações, mas eu saquei este "Baby Feeding Log" que serve para os androids e é grátis. Só uso mesmo a parte da alimentação, mas também dá para registar os cocós, xixis e sonos. 

Caixote de lixo para fraldas
 Caixote do lixo para as fraldas da Tommee Tippee

Faz a contenção de cheiros. A amiga P. diz que nesta idade os "coconites" (ainda) não cheiram mal. Não sei se é por ser leite "da lata", ou se eu tenho o cheiro muito apurado, mas o odor já é assim para o desagradável. 
Também comprei na amazon.co.uk , mas já vi à venda na Pré-Natal. O kit que adquiri já trazia 6 recargas de sacos incluídas.

Esterilizador

 Esterilizador da Chicco.

Isto é daquelas coisas que dão bastante jeito quando se começa a usar biberões muito cedo. Não quer dizer que para um bebé maiorzinho não seja necessário esterilização, mas num recém nascido há um cuidado especial. Há sempre a possibilidade de recorrer à fervura na panela (eu fiz isso nas primeiras vezes, porque me esqueci que tinha o esterilizador arrumadinho. Daaahhhhh!!!)
Não comprei. Foi emprestado.

Bomba eléctrica de tirar leite
 Bomba de tirar leite. Swing da Medela.

Atendendo à minha história da amamentação - aqui - esta máquina foi a minha grande ajuda. Depois da minha experiência com a bomba, e de falar com algumas mães e profissionais de saúde especializados, acho que posso recomendar como sendo das melhores no mercado. Assim que fiquei grávida, a prima M. disponibilizou-me logo muito material de auxilio à amamentação.  Só posso agradecer! Se não me tivesse emprestado e se tivesse de comprar, uma vez que ainda não tinha feedback de ninguém e desconhecia este mundo, muito provavelmente teria optado por um modelo mais acessível, mas não tão eficaz. O preço do mercado ronda os 152.00€.

Carrinho trio
 Carrinho Trio Living da Chicco.

Agora que já lhe dou uso, apesar de não ter experimentado outros para fazer a comparação, já posso dizer que acho que fiz a escolha acertada em comprar um "3 em 1". 
Em primeiro lugar, cabe no meu porta bagagem (foi um factor eliminatório) e depois é  bastante prático de fechar, abrir, meter dentro da bagageira.
As formas de utilização são diversas: em cima, a ser usado com o "ovinho" na rua; em baixo, com a alcofa, onde ele dorme muito confortavelmente. A minha casa é comprida mas plana e por isso, a locomoção do carrinho é muito fácil. Até para a casa de banho o levo. Não posso deixar o menino em cima do muda fraldas enquanto vou buscar um bodie lavado ou um par de meias! Poderia sempre agarrar nele e ir comigo, no entanto a minha casa é muito fria, mas o wc está quente e se puder evitar que ele não faça tanto choques frio/calor, melhor! Assim, deito-o novamente no carrinho, vou fazer o que tiver a fazer descansada e volto a coloca-lo no muda fraldas. 
Quando estamos às refeições e ele está acordado, o carrinho fica ao nosso lado na mesa e a família fica completa.

A alcofa deu bastante jeito nas primeiras 6 semanas, mas como passou a dormir menos durante o dia e a querer outro tipo de actividades, começou a preferir estar no ovinho para observar tudo melhor! 

Para além do "ovinho" e alcofa, ainda tem uma terceira cadeira que servirá quando ele foi um bocadinho maior.

Os "carrinhos" são caros e por isso, é um investimento a ser bastante ponderado. Grande/pequeno, mais citadino/mais desportivo, com mais acessórios/com menos acessórios...a resposta está em casa família. Mesmo que se decidam comprar on-line (porque é possível apanhar boas promoções) é sempre bom ter um primeiro contacto real com o carrinho...
479.00€ na "A Túnica".

"Espelho" para o automóvel
Isto de andar de carro sozinha com o D, e o ovinho ter de andar virado ao contrário, é um bocado limitativo para "vigiar" o bebé. A prima AC ofereceu-me esta pequena maravilha que me permite, pelo retrovisor, ir espreitando o "estado da nação". Como ele gosta de andar de carro, é quase sempre em sleep mode.

Aspirador Nasal
Por conselho da minha madrinha - que utilizou muito no neto - comprei este aspirador nasal da "Narhinel" e 3 caixas de recargas (aproveitei a promoção na Well´s). No primeiro mês pensei mesmo que tivesse sido dinheiro deitado à rua - meti o soro fisiológico e aspirei poucas vezes porque não houve necessidade para mais. 
Com a instabilidade meteorológica, frio/calor, correntes de ar..., o canal respiratório ressentiu-se e a verdade é que foi uma grande ajuda e quase não tenho recargas. Se aquela "resmeira" não for retirada através do nariz, há uma grande probabilidade de se transformar em otite ou numa bronquiolite, para além do que, pode aumentar as cólicas (coisa que desconhecia), uma vez que os bebés não sabem respirar pela boca, e se o nariz está entupido, vão engolir mais ar desnecessariamente.
Não obstante, pelo que alguns pediatras dizem, o uso deve de ser muito reduzido, já que o alivio pode ser apenas momentâneo e ainda agravar a situação se o nariz ficar mais "inflamado".
Eu vou metendo soro frequentemente e ele tem andado bem.

Aspirador Narhinel - 8.49€
Recargas Narhinel - 8.80€

Almofada de amamentação/aleitamento
Dá um jeitão para o homem dormir a sesta - óbvio!
A sério...para quem amamenta, especialmente bebés que demoram muito tempo, é uma grande ajuda de protecção às costas, braços e mamilos!
Para quem dá leite de substituição também é optima. Tanto eu como o P. usamos para lhe dar os biberões durante o dia, já que à noite opto por lhe dar mesmo no colinho/colinho.

Para além de servir de apoio à alimentação, também é bom para os bebés se "ampararem" e se for comprada durante a gravidez, pode auxiliar para dormir (já que não é fácil encontrar posições confortáveis).   
Não comprei. Foi emprestada. Penso que se encontra com preços a partir de 40.00€.


Mantinhas da Primark
Na "Zara Home", vi mantinhas fofinhas e giras (para além de milhentas coisas que nem sei bem se têm utilidade mas não deixam de ser lindinhas), mas quando virei a etiqueta comecei a achar o tudo horroroso!

Plano B (ou plano P) - Primark -  Mantas fofas, menos giras...mas muito mais agradáveis à carteira = 5.00€ cada. Tenho 5, o que equivale a 25.00€ (o preço de uma na Zara Home). Dão um jeito enorme para o carrinho, ovinho, cama, para um colinho mais aconchegado...
É atar e pôr ao fumeiro = como quem diz, lavar e secar sem problemas.

...e depois as outras modernices que nem por isso.

Lá está! para uns resulta bem, para outros...nem por isso! O melhor mesmo é experimentar.

Sling
Nas primeiras 3 semanas, enquanto andava por casa e precisava/queria ter os braços e mãos livres, ainda consegui dar algum uso ao sling. Depois disso, o D. começou a ter muita força, vontade própria e como detesta estar apertado/confinado, era uma guerra para o manter no sling.
Mandei fazer por encomenda. 30.00€ 

Espreguiçadeira
Li muito sobre a espreguiçadeira ser um excelente meio para a criança ficar entretida, sossegada, maravilhada...enquanto os pais faziam outras coisas. Fiquei bastante entusiasmada com a ideia, mas connosco isso não se verificou!
Primeira tentativa - não correu bem. Muito choro, contestação e uma cara de infelicidade e de angústia tremenda. Posso mesmo dizer que ele ficou ofendido comigo e com o homem, por termos feito a experiência. 
Segunda tentativa - deixei passar quase 3 semanas. Prendi bonecadas que ele gosta. Esperei por uma hora em que ele estivesse calminho e sereno. Foi só sentá-lo que a sangria desatada começou. O mundo dele parecia prestes a desabar. Nem com música, nem sem música, nem com abanos, nem sem abanos.
Terceira tentativa...já não era para haver, mas por descargo de consciência, antes de embalar o aparelho, experimentei outra vez. Idem-idem, apas-apas. "Oh filho! isto é para tu gostares. Se não gostas, não comes!"
Não comprei. Foi emprestada (uuuufffaaaa). O valor deve de variar entre os 60.00€ e os 80.00€. 

Posso dizer que das coisas que adquiri, provavelmente o único que teve pior rentabilização foi o sling.
Tive a sorte de as primas fantásticas que tenho, me terem emprestado muita coisa.

Como já disse e repeti, todas as coisas têm uma utilização muito pessoal, adequada a realidades distintas, e a mães e bebés com comportamentos diferentes. Espero que o post auxilie a quem procura algum feedback mais "real" e não tão técnico.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Chegou o Verão!! (ou não???)

Durante uns dias, o calor apoderou-se de Portugal e eu rejubilei com isso. Acho que as pessoas ficam mais bem dispostas com o sol - deve ser efeito da serotonina!

Como ainda não vou à praia "fazer praia" (só mesmo passear!), o estaminé foi montado cá em casa.
Vantagem de ser vivenda com muros altos e de ter espaço: posso andar com pouca roupa; posso montar uma piscina enorme de um metro de diâmetro...mas que  para sentir a presença da água e me ir refrescando dá perfeitamente; posso estar com a depilação por fazer que não me vou sentir mal....; posso fazer tudo isto que não sou incomodada, nem "mirada" (a menos que os paparazzi venham de helicóptero!).
 De pernoca ao léu é tão bom!!!
Conseguir ler/ver alguma coisa exta bebés, faz-me "respirar outros ares" e ganhar energia. Não tenho comprado muitas revistas. Tento escolher uma ou duas por mês e agora só compro em versão "travel size/pocket" - fica mais barato e é mais fácil de manusear (ainda assim gosto mais do formato grande!).
 Mesmo não sendo praia e não tendo o D. ao sol, não descuramos a protecção solar - tudo factor 50!

Para curtir a minha praia, aproveitei enquanto o Diego estava a dormir dentro de casa ou aos cuidados do pai e sempre deu para apanhar um bocadinho de sol e relaxar. Infelizmente, o menino suportou muito mal este calor. Fez uma reação de pele medonha - cheia de borbulhinhas na cabeça e cara - mas aparentemente é bastante normal entre os bebés. Evitei sair de casa desnecessariamente (fizemos p que tínhamos a fazer na rua, mas não andamos a passear só porque me apetecia). Aligeirei a roupa. Passei a dar banho com água ainda mais fria. Metía creme sempre que sentia a pele seca (umas 5x por dia).
O tempo regressou a temperaturas mais baixas, continuei "o tratamento" e passado uma semana voltou quase ao normal. Quando as temperaturas subirem novamente, vou ter cuidados redobrados. Parece que o Verão entrou com a força toda! pelo menos chuva forte não faltou!...ver o que nos reserva as próximas semanas.

Enquanto estava com esta alergia, também foi levar as "vacinas" dos 2 meses. Foram 4 no total: 2 injectadas na perna esquerda, 1 na perna direita e outra por uma via oral. Portou-se lindamente : chorou por 2 minutos e posteriormente não fez febre. Achei que nesse dia ficou mais chocho e no dia seguinte um bocadinho mais "rabuge", mas nem com a coceira adicional perdeu a boa disposição.


 A fazer os exercícios diários. Ou pensam que os ginásios são só para gente grande?


Há acontecimentos que me fazem pensar na volatilidade da vida...
Nascemos , morremos e no meio está a vida (é das poucas verdades universais que acredito). É básico, quase que parece idiota, mas muitas vezes esquecemo-nos de que só temos uma... O que fazemos com ela é da nossa responsabilidade. As escolhas são nossas. É isso que vai definir a "nossa vida".
As pessoas boas vão ser sempre lembradas. Para quê tanto "desaguisado" e stress desnecessário? Obviamente que não podemos deixar de fazer as coisas, mas há certas situações que 'não deixamos passar', quando afinal de contas, nem têm assim tanta relevância. É usar o bom senso e pensar se realmente vale a pena...

Estes dias deram também para estar 'cas' amigas e família; 
Até ao fim do mês ainda andarei nas aulas de recuperação pós parto. A Enfermeira foi simpática e ofereceu-me 3 aulas apesar de eu já ter terminado a minha quota;
O Diego continua bonzinho, pachorrento...come bem, dorme bem (graças a deus!) e c* bem. Só posso pedir que continue assim...pelo menos até aos 18 anos. Eu sei que eles têm fases, por isso, é aproveitar esta o melhor possível... que pode vir coisa pior.
Quando falo com outras mães (sim! porque agora o meu círculo de conhecidos foi substancialmente alargado! e o tema não é futebol, nem moda, nem política...), cujos filhos são mais velhos que o Diego, já com 5 ou 6 meses, e ainda comem de 2h em 2h ou 3h em 3h, seja dia ou seja noite ( a maior parte dos casos é mama da mãe, mas noutros é leite adaptado), eu fico a pensar em rezar uma missa! Obviamente que durante o dia ele não dorme quase nada e as tarefas domésticas ficam para segundo plano, mas o rapaz também tem de fazer outras actividades! Quando eu digo que ele é bonzinho, não quer dizer que não chore ou que precise de menos atenção e cuidados. Também temos aqueles episódios em que o almoço acaba por ser "qualquer coisa", em que tenho fome e não consigo ir comer porque ele está com dores de barriga e não consigo acalmar o choro, em que preciso de ir fazer xixi... mas que tenho de aguentar porque ele acabou de adormecer ao meu colo. Mas essas situações, comparadas com tudo o resto do tempo, é que me fazem exatamente dizer que ele é "bonzinho".

Tenho conseguido fazer o exercício físico sem problemas. Levanto-me entre as 5h30 e as 7h00 - dependendo da na nossa noite - tomo o pequeno almoço descansada, vou fazer elíptica, tomo banho e sinto-me realizada! se não houver tempo para mais nada, dou-me por muito satisfeita. 
Esta semana, houve um dia que ele acordou mais cedo e "foi comigo".  Ficou a olhar para mim na elíptica...até que adormeceu com o ritmo. Pois! fizemos isto juntos tanta vez, mas ele estava dentro da barriguinha, que é capaz de ter reconhecido "a melodia". 

A maior parte dos dias, às 9h00 da manha já estou despachada e fico à espera que ele acorde para começarmos o "nosso" dia.
...e quando conseguimos, temos refeições bonitinhas:


Amanhã "fazemos" (eu e homem) 14 anos. Quem me conhece, sabe que nunca comemoramos o 14 de Fevereiro, por achar muito impessoal, mas o dia em que "começamos" é sempre lembrado, e seja mais simples ou mais elaborado, este ano não quero que seja excepção.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Exercício Físico na gravidez e no pós parto.

Até às 10 semanas de gravidez o exercício andou muito parado por estes lados. Falta de energia, dores ligeiras no baixe ventre quando me esforçava mais, mesmo em simples caminhadas. O meu objectivo era não ter problemas, não era arranja-los.
Sabia e sentia que, quando fosse tempo de retomar o exercício, o meu corpo ia dar o sinal verde. Depois da 11ª semana, as coisas começaram a normalizar, o sono retomou os níveis normais, a energia deu o ar da sua graça e as dores (impressão) diminuíram.

Numa conversa de cabeleireiro, o meu interesse pela hidroginástica surgiu. Em certas coisas sou um bocado intempestiva. A ideia surge e tem de ser logo executada. No dia útil seguinte, fui logo saber pormenores nas piscinas municipais e meteram-me à vontade para fazer uma aula experimental para ver como me sentia - e no dia seguinte lá estava eu - com um fato de banho comprado 1 hora antes e de touca com 8 anos (mas muito bem conservada!);
Fui conversar com a professora e explicar a minha situação já que aquela não é aula de grávidas. Também há essa modalidade, mas era impossível de encaixar no meu horário e acaba por ser mais ao nível de preparação para o parto. 
Tive tratamento 5 estrelas. Sempre que os exercícios não eram adequados para mim, ela fazia-me sinal e dava-me alternativas. Gostei tanto da aula, que me inscrevi logo e comecei a meio de Outubro.

Comecei a fazer à 3ªf e 5ªf e fiz até final de Janeiro.
Se no inicio era engraçado ter um plano só para mim, depois começou a ficar chato ter de fazer os mesmos exercícios de respiração over and over again. Sentia inveja das minhas colegas sexagenárias que treinavam pernas, braços e abdominais com uma intensidade moderada, mas como eu estava a parte, nem isso fazia.
Fui à hidroginástica sempre que deu (pelo menos uma vez por semana), mas não fiz mais do que isso. A motivação voou por completo em Janeiro.
No principio de Fevereiro comecei com as aulas de preparação para o parto e senti que não valia a pena continuar na hidroginástica, uma vez que também tinha recomeçado a fazer 30 minutos diários de elíptica pela manhã.
Além disso, correndo o risco de ser coincidência (pela 2ª vez!!), durante o tempo em que fui à piscina, a minha queda de cabelo aumentou substancialmente.

Além disso, sempre que tive genica extra, fiz exercícios desde dvd, formulado especialmente para grávidas. São series de 10 minutos que se fazem bem, mas são bem "adrelinadas".

O meu regresso à eliptia foi feito a medo...
Não encontrei informação muito concreta sobre os benefícios/malefícios da sua utilização durante a gravidez. Acho que assumi que a elíptica era o mesmo que "escadas" e na realidade, acaba por ser mais similar a caminhadas.
Acordava às 6h15, "pequeno-almoçava" e ia para os meus 30 minutos. O treino plano, sem oscilações de intensidade e a uma velocidade moderada, melhorou em muito a minha caixa pulmonar - que estava uma lástima - e ajudou a que não me senti-se "perra" ou com a mobilidade reduzida. 

Dizem que, comparativamente ao primeiro trimestre o segundo trimestre é o melhor em termos de energia e que no terceiro volta a decair. Realmente o primeiro foi o mais "difícil".
As saudades que eu já tenho desta barriga!

Depois das 36 semanas, deixei o exercício mais de parte. Já estava com dilatação e não queria correr o risco de ele nascer antes do tempo. Em compensação, nunca parei de me mexer e as duas últimas semanas foram um fartote de limpezas em casa.

O D. nasceu a 16.04.2014. Não fossem os pontos!!..., porque eu senti energia para fazer exercício assim que sai da maternidade.
É certo que o corpo de uma mulher passa por um grande rebuliço neste período do parto e tem de se dar tempo ao tempo! Precisa de sarar e de se habituar à nova condição. É preciso que fique tudo ok e por vezes passam-se coisas no nosso interior e que nem damos conta!

Durante este tempo parada, onde é que senti mais a falta de exercício?
(A flacidez e a acumulação de "reservas maternas" nas ancas, não é para aqui chamada!) 
...onde senti mais falta foi mesmo nas pernas. Dos joelhos para baixo, a minha circulação ressentiu-se logo.
À espera para entrar na aula.

No dia 28.04.2014, 12 dias após o parto, fiz a primeira aula de recuperação pós-parto. É o 3º módulo do curso. Tem o valor de 70.00€ para 10 aulas que podem de ser feitas num prazo de 2 meses. 
Metade da aula é passada na conversa - esclarecimento de dúvidas, troca de impressões sobre os bebés... A outra metade é a parte física, onde trabalhamos maioritariamente com a bola. Se for feito da maneira correcta, dá para ficar "dorida".
São exercícios que se podem fazer em casa - bastava ter pesquisado um bocadinho quais os mais aconselhados - mas é uma forma de interagimos com outras pessoas (neste caso, outras mães) sem termos de nos preocupar onde vamos deixar o bebé nessa hora - nós fazemos o exercício e a Enfermeira G. toma conta deles.

No sábado, dia 03.05.2014, 17 dias depois de ter sido mãe, fomos dar uma voltinha pela vizinhança - muito levezinha, muito devagarinho, mas era o que eu precisava para desentorpecer as pernas. 
Esta volta também me fez ficar ciente de que, se quero passear com o cachopo pelo "campo", tenho de comprar uma protecção contra a bicharada e mosquitos. 
Depois disso, fizemos algumas caminhadas ou feito alguma elíptica, mas os meus joelhos não serviram de grande ajuda e eu também não quis forçar.
A consulta de revisão do parto foi feita e como está tudo ok! Não há limitações nenhumas que sejam impeditivas de começar a fazer exercício ainda mais regularmente.

Hoje, o Diego já faz 2 meses e por isso, acho que a data também pode assinalar o regresso definitivo  ao exercício físico moderado, mas mais regular. Durante os próximos 30 dias, vou tentar fazer pelo menos 30 minutos diários de... alguma coisa - que terá de ser encaixada consoante os nossos horários e a nossa vidinha.
Fica aqui o compromisso...   

quinta-feira, 12 de junho de 2014

O nosso 10 de Junho 2014...

Desde que soube que a Joana ia conseguir publicar o seu "primeiro filho" a tempo da Feira do Livro, que pensei em ir lá demonstrar o meu apoio, trazer um "Queques que enchem a Alma" para casa e aproveitar para ela conhecer o D.

Depois da chegada do cachopo, dizer "eu vou", passou a ser um caso mais repensado. A logística que envolve é diferente (muito diferente!) do que estávamos habituados. Se não é um compromisso com hora marcado (como consultas), tento não apressar as coisas e dar tempo ao menino para ele acordar e fazermos a rotina normal de horários.
Como era uma coisa que queria mesmo fazer, achei que valia o trabalho e esforço que isso implica para um bebé de 2 meses. É claro que não vou meter o meu filho numa redoma (ou chega à creche e fica logo doente!), mas levá-lo para lugares públicos, com muita gente, muito barulho, muitos solavancos, muitas diferenças de temperaturas... não deixa de ser uma agressão, quer física, quer psicologicamente.

O D. portou-se lindamente e fiquei orgulhosa com o seu espírito descontraído.
Na noite anterior, tinha dormido 8 horas seguidas, comido e ainda dormido mais 2 horas. Pensei que não ia pregar olho durante o dia todo. Más que nada! Dormiu a maior parte do tempo; bebeu 3 biberões em sítios diferentes: Mercado da Ribeira, Estação de Metro do Marquês de Pombal e no Colombo; enfrentou um "desarranjo intestinal"; e chorou pouquinho-pouquinho durante duas ocasiões mais desconfortáveis.

...e já que estávamos em Lisboa, aproveitamos para passear um bocadinho e aproveitar o dia.


Mercado da Ribeira

Como chegamos perto da hora de almoço, resolvemos ir conhecer o renovado Mercado da Ribeira. Eram 12h30 e ainda não havia muita gente. Deu para andarmos e almoçarmos sem grandes apertos, mas depois das 13h15, começou a encher com bastante rapidez.
Gostei do espaço = luminoso e espaçoso. Espero que vingue! - a ideia não é nova (em Portugal já há o Mercado de Campo de Ourique) e assemelha-se ao conceito do mercado de San Miguel ou San Antón em Madrid - mas pode funcionar como mais um ponto turístico de interesse em Lisboa.
Optamos por comer no chef  "Alexandre Silva". 
Peixe com cogumelos, rebentos de soja e espargos. O sabor estava bom, mas acabei por não saborear devidamente porque comi "à pressa". Também era a hora de comer de Mr. D.! 




Boné dentro de casa?!? 
Já não tenho vida mãos para andar a por e tirar chapéu.

O dia estava de verão mas sem ser excessivo. Andamos protegidos do sol mas nem assim o protector solar foi esquecido. Para o Diego, a temperatura não estava má e acho que não sentiu muito desconforto.

Feira do Livro

Quando chegamos à feira do Livro, passamos a o espaço de alto a baixo, mas o interesse estava focado nos queques e confesso não perdemos muito tempo a olhar para as outras novidades.
As pepitas eram a oferta....que eu posso não utilizar, mas garanto que alguém lhe dará bom uso!

Para pena minha, a visita foi curta. Meteram-se os cocós e o leitinho pelo caminho e ela também precisava de dar atenção aos outros leitores. Ficou "prometida" uma visita em breve.

 Metro

Chegados à feira do livro, fez uma brutal c*. Estávamos convencidos que na estação de metro do Marquês de Pombal haveria uma casa de banho. Já nem pedia fraldário! Uma casa de banho serviria. Não encontrei nada. Serviço de informação fechado. Lá perguntei a uma lojista... que me disse que não havia naquela entrada.
E agora como é que fazemos? A minha última opção seria trocar a fralda mesmo no chão, mas queria evitar isso (um bocadinho nojento). Solução encontrada: trocar em cima dos bancos da estação. Pois teve mesmo de ser! Para ajudar à festa, ele já estava com fome e apesar de estar tão sujo (costas, pernas...até repassar para o ovinho!) a prioridade era a alimentação - caso contrário ele não sossegava e seria impossível conseguirmos limpa-lo. Enquanto o P. lhe dava comer, eu montava o estaminé. Tivemos de trocar tudo...até as meias. 
Há detalhes dispensáveis, mas para que fazem parte...e não sei se é por ser leite de substituição anti cólicas, mas é mais para o liquido do que sólido!

Relativamente aos acessos para carrinhos, achei muito pobre! Não fossemos dois e teria sido mesmo missão impossível. Nem todas as estações dispõem de elevadores. O cachopo lá andou meio aos trambolhões - subir e descer uns 20 degraus não é propriamente fácil. 
Já nem falo apenas nos carrinhos de bebés, mas... e as pessoas com mobilidade reduzida?? Infelizmente nem todos dispõem de todos os membros em plenas funções! 

Dentro do metro é relativamente fácil de "estacionar" o carrinho e até acho que as pessoas são minimamente cooperantes.


Colombo

A nossa última paragem foi no C C Colombo...e serviu para fazer um reforço, já que o almoço tinha sido leve. 
Também andei à procura de um tapete de actividades para o cachopo, mas vim de mãos a abanar e com a certeza que já não tenho pachorra para andar a saltar de loja em loja (seja para comprar o que for!).

 No final do dia, a questão que me ficou : no papel de mãe (e do pai), como é que podemos medir os limites que justifiquem o esforço do bebé/criança? 
Eu e o P. ficamos "derreados". E o D.? calculo que também o tenha afectado...mas como é que sabemos isso? 

Nota: umas vezes chamo D/Diego/Di...não tem a ver com a preservação da identidade, mas sim porque na minha vida real também é assim. 

terça-feira, 10 de junho de 2014

A vida como ela está.

Não tenho dado noticias porque...são mais do mesmo!
Apetece-me escrever sobre outras coisas não relacionadas com o mundo dos bebés e das mães. A realidade é que neste momento na minha vida, pouco há mais do que isso. Os planos vão sendo feitos diariamente. Entre comidas, xixis, limitações financeiras...a vida do dia a dia não se tem alterado muito.

Os últimos dias até têm estado jeitosos (é melhor não gabar muito ou isto ainda vira!), mas durante 2 semanas tivemos tempo cinzento, chuvoso e ventoso. As saídas de casa não apeteceram e evitaram-se.
Os itinerários têm variado tão pouco que dei por mim em piloto automático, a fazer o caminho para o posto médico/aulas pós-parto (ficam na mesma rua) ...quando queria ir para o supermercado (nada a ver!).

Em relação ao Diego: já está com 54 dias (o preciosismo continua!) e felizmente que as cólicas assolapadas deram tréguas. Experimentei tudo o que sabia e o que recomendaram (coisas mais ou menos plausíveis!) e não sei se houve algum elemento decisor, ou se foi mesmo a combinação de tudo...mas o que é certo é que o rapaz está bem melhor e a qualidade de vida com/sem cólicas tem uma diferente considerável (tanto para ele como para mim).
Come bem, chora o normal, dorme o suficiente, observa, ri-se....eu derreto-me e só me apetece apertá-lo tanto, tanto...(ou seja, sou o cliché de mãe!)! É um fofinho de 5kg que já tem uma papada e preguinhas nas pernocas. 
Não dorme "uma noite seguida", mas o facto de só acordar 1/2 vezes de madrugada para comer e de ser  um processo muito tranquilo, torna as coisas mais fáceis: faz um choro de miar para me acordar, vou à cozinha fazer o biberão, volto ao quarto, meto babete, dou-lhe Infacol (contra as cólicas), dou-lhe o biberão, meto a arrotar (apesar de ser uma coisa que ele não faz de noite, mas que acho por bem tentar na mesma), deito-o no berço e está feito! Durante a maior parte destas tarefas, ele está a dormir (mesmo quando está a chorar)  e demoramos cerca de 20 minutos em toda a operação (not bad).
Se achar que a fralda tem muito xixi (cocós não são para a noite!), troco mesmo ali mesmo em cima da minha cama. Só acendo uma luz mínima para conseguir acertar "nos buracos" e isso ajuda a preservar o clima de noite e não o desperta.
Para ele adormecer no berço também é consideravelmente fácil: por volta das 21h/22 vamos para o quarto. Acendo a tal luz mínima ou o "fantasminha" do Ikea, deito-o no berço e ele fica sossegado até adormecer sozinho. Não ligo a televisão, não faço grandes barulhos e não acendo a luz do tecto. Sento-me ou deito-me na minha cama e fico a ouvi-lo. Só intervenciono quando é necessário. Obviamente que não é assim tão linear...mas mesmo nos dias menos bons, é só ficar atenta para lhe ir repondo a chupeta - que acaba por servir para o acalmar, já que na fase de adormecer ainda não tem "aquele sono" e fica mais agitado se ela cai. Assim que adormece, a chupeta cá novamente, mas aí retiro-a logo do berço e só volta a ser necessária na manhã seguinte. 
Neste processo de adormecer já parece um menino grande. Não quer isto dizer que a partir de amanhã não comece já com pior qualidade de sono, ou se lembre de trocar os dias com as noites! 
A única certeza neste mundo dos bebés e que...não há certeza! o que é agora, pode deixar de ser realidade  daqui a nada.

Comigo também está tudo bem: 
.Tenho dormido demais! (para o que estava habituada) - não é tudo seguido, mas sim acumulado durante as 24 horas.
.Tenho comido pior do que queria (muitos hidratos de carbono)...mas eu sei que é mesmo uma questão de organização. Uma pessoa acaba por facilitar e engole o que for mais rápido e menos trabalhoso...muito pão, massa e fruta...
.Tenho feito pouco exercício físico e há menos gasto de energia -apesar de estar sempre a andar de um lado para o outro, o exercício bom para o coração tem sido muito pouco;
.Banhinhos são diários, mas as indumentárias preferidas são os pijama ou roupas desportivas (largas e confortáveis)... e só quando se enfia as calças de ganga é que se repara que estão  apertadas.
.Consulta de "revisão do parto" feita. Tudo ok. 
.Tempos livres são poucos e aproveita-se o que se pode, porque se acorda de manhãzinha e quando se olha para o relógio já são 21h.
.Habituei-me com muita facilidade a esta vida sem emprego. Em Setembro vai custar a pegar!

A vida social tem sido a "normal": festas e convívios familiares ou com as amizades, passeios de fim-de- semana com o homem, passeios possíveis de mim com o Diego...

Tenho tirado poucas fotografias, mas tenho filmado mais (e quando o cachopo está a dormir passo o o tempo a ver fotos e os videos de há 2 dias... mas que me parecem ter acontecido há 2 anos!).


 01.06.2014
 Bolo do dia da criança e de aniversário do V.
Achei giro!
(...pelo menos não é de bonecos feios, mas que os putos gostam muito!)

Nazaré
  Pela foto ninguém diria, mas foi um dia de tempestade de areia!

04.06.2014
Caldas da Rainha.
Eu e o cachopo aproveitamos os raios de sol e fomos até ao Parque 





08.06.2014
Vista da Serra de Aire e Candeeiros


Eu até prometia que não ia ficar tanto tempo sem dar noticias...mas incorria no risco de estar a mentir. Meninas, mesmo que não comente, vou acompanhando a vossa vida nos blogs (you know who you are!).