Avançar para o conteúdo principal

Paris...e o meu ponto de vista.

Planear uma viagem, acaba por ser um processo bastante pessoal. Pode ser do tipo de pessoas que vá à descoberta...sem ter nada estudado previamente, pode ser do tipo hiper-super-meticuloso que planeia até ao mais ínfimo pormenor, ou pode ser um meio termo. Eu encontro-me incluída no meio-termo - gosto de estudar a cidade, planear os percursos, mas também gosto de ter não ser muito rígida nos planos.

Se vou viajar, a intenção é aproveitar bem o que a cidade tem para oferecer - falo em "cidade" porque na realidade, os sítios que mais gosto de ir e ver acabam por ser cidades. No entanto, já lá vai o tempo em que fazia bolhas nos pés de tanto palmilhar todos os cantos. Actualmente, prefiro fazer uma visita geral à cidade e depois escolher o que realmente me interessa ver. Apesar de ter descoberto os sighseeing tours um bocadinho tarde, acho que são a escolha perfeita para ter a panorâmica geral sem ter de fazer o percurso todo a pé - para além de servir de meio de transporte entre os principais pontos e atracções.

E esta lenga-lenga vem a propósito de quê?

Nos destralhes que tenho feito em casa, descobri que me faltavam alguns guias da Lonely Planet. Há excepção de um  (que não fazia a minima ideia do seu paradeiro), sabia que os que faltavam estavam em mãos amigas.
Continuando as limpezas descobri uma pastinha só com coisas sobre Paris - guias, mapas, folhetos, facturas, notas...tudo isto datado de Junho 2009. Ter feito esta descoberta 4 anos e meio depois, fez-me pensar. É impressionante que já me tinha esquecido de 50% dos pormenores. Sei que não quero guardar tanta papelada por mais tempos e sei que se não escrever, nunca mais me vou recordar dos detalhes.
Assim sendo, vou tentar pegar nas papeladas acumuladas e escrever posts sobre alguns sítios já visitados. Pode servir-me como guia numa futura viagem e pode ajudar alguém que precise de dicas não profissionais.

Paris é o primeiro destino.


A minha relação com Paris remonta a 2001 - ou qualquer coisa parecida. A primeira viagem foi a trabalho e confesso que não morri de amores pela cidade. Não achei aquele "je ne c´est quoi". Não fiz aquele clique. Voltei mais algumas vezes - sempre a trabalho - e fui-me apaixonando. Hoje em dia está no meu top 3 de cidades que mais gosto.
Em 2009 decidi(mos) fazer uma espécie de lua de mel em Paris. O plano desse ano incluía: acabar a construção da nossa casa em Abril, as mudanças a seguir e a viagem no final de Junho para comemorar os nossos 9 anos e o inicio de vida em comum. Tudo errado! As obras atrasaram e só me mudei totalmente em Setembro/Outubro, mas a viagem estava marcada e não deixamos de ir.

Notas:
A maioria das fotografias é de 2009, mas também houve espaço para algumas de 2006.
Atendendo a que a minha memória não é assim tão boa, não sei exactamente a ordem dos sítios visitados.
Alguns preços já devem de estar desactualizados.


Torre Eiffel

Construída em 1889 continua a ser o simbolo de Paris.

Sair no M de Trocadero e ficar no "Palais de Chaillot" significa uma vista privilegiada para a Torre Eiffel. É natural que se encontrem bastantes "marroquinos" e africanos cheios de souveniers para vender. Se alguma coisa interessar, podem sempre tentar conseguir um preço mais em conta. Regatear é pratica corrente.


Fotografia de Agosto de 2006. Com tanto nevoeiro e camisola de capuz, nota-se mesmo que era Verão!

Chegada à Torre Eiffel há que ter paciência e aguentar as filas. No Verão, custa ficar ao sol. No Inverno custa ficar ao frio. Mas penso que, independentemente da estação, vale a pena.


Vista enquanto subíamos.


Hotel des Invalides

M Invalides - Hotel des Invalides - Musée de l´Armée
Visitar este museu foi uma escolha do homem. 



Ponte Alexandre III

Paris é uma cidade com algumas pontes emblemáticas, como a Pont Neuf - ponte mais antiga de Paris, mas para mim, a Pont Alexandre III é a mais bonita de todas. 


Notre Dame


Sainte-Chapelle

M Cité - Saint Chapelle

Louvre

É o maior museu do Mundo. A maior atracão é sem dúvida a "Mona Lisa" de Da Vinci. Vale a pena ser visitado pelo menos uma vez, mas se o tempo está contado à hora  acho preferível "viver" Paris do que ir ao Museu - mas cada qual é que sabe dos seus interesses e prioridades.
Eu já tinha visitado. O P. não quis entrar e eu concordei.

(Acho que o filme "O código de Da Vinci" dá uma ideia de como é o museu.

M - Palais Royal  ou Louvre 

A Grande Pyramide - que para mim estará sempre relacionado com o Tresór da Lâncome! - quem é assim rapariga da minha idade, certamente que se lembra do anúncio.

Seguindo Louvre abaixo, encontramos o Arc du Carrousel 
...e o Jardin des Tuileries.

Champs-Elysees e  Arc du Triomphe

Se estiverem com vontade de andar a pé, podem passar pela Place de La Concorde para ver o Obelisque e apreciar a vista dos imensos Champs-Elysees que culminam no Arco do Triunfo.
Pelo meio,  passam pelo Lido - que não se vê grande coisa, especialmente de dia, mas a minha principal atracção dessa avenida é a..Sephora! A primeira vez que lá fui fiquei maravilhada. Uma loja enorme e ampla, desconhecida em Portugal - na altura pareceu-me mágico!
Ver as filas para entrar na Louis Vuitton também é engraçado - milhares de japonesas, chinesas, árabes - a saírem com sacos enormes. Esta é uma coisa que provavelmente nunca vai acontecer comigo. De onde não há, não se pode tirar, certo?

Se não quiserem fazer o percurso todo a pé, sair no M em Franklin D Roosevelt é uma boa opção



Le Quartier Latin

Panteão

A saída do M Luxembourg  ou Cluny dá acesso ao Pantheon. Estão aqui sepultadas as maiores personalidades de França. Sinceramente, acho que é uma visita dispensável. Não gostei mesmo.



La Sorbonne

Em compensação, gostei de passar pela Sorbonne -  a maior universidade do país.

Nessa área há o jardim mais bonito de Paris - opinião pessoal - o Jardin du Luxembourg.
A Primavera e o Verão são as alturas ideais para os passeios nos parques...  
...e para fazer picnics!
É assim um ritual que temos. Vamos comprar comida e fazemos o nosso picnic. Com direito a garrafinha de vinho e tudo!...e de sermos mandados sair pela policia. Nós e mais umas 500 pessoas!

Hotel de Ville

2009 - toda eu era um arco íris...


Madeleine 

M  Madeleine

 Musee d´Orsay

M Musee d´Orsay 

 Montmartre 

Zona com ruas íngremes, pequenas pracetas e um espirito boémio.

Gare du Nord

Sacré- Coeur
M - Anvers  - Sacre Coeur - com uma escadaria imensa que, nos meses de bom tempo fica inundada de gente jovem/menos jovem, que levam comida e bebida para compartilhar.
A vista panorâmica vista de Montparnasse.

Pigalle

Moulin Rouge


Centre George Pompidou
 Centro de Arte Moderna

Foi aqui que o meu cão ganhou nome...mesmo antes de o termos.


 Academie Nationale de Musique


Galerias Lafayette

M  Chaussée d`Antin La Fayette
Grandes armazéns onde se pode encontrar tudo. Mesmo que não se compre nada, é daqueles pontos turísticos a não perder. A arquitectura art deco é deslumbrante. 
No ultimo andar podemos encontrar um restaurante self service - que serve comida decente a preços aceitáveis. 


Versailles

Quem tiver oportunidade, reserve um dia para ir a Versailles. 
Fica a cerca de 20Km do centro de Paris, mas é bastante fácil apanhar transporte. O Palácio tem uma grandiosidade inimaginável. Once and again, é melhor haver uma preparação psicológica para as filas de entrada. 
O preço dos bilhetes é variável consoante a área que se quer visitar. A tarifa que escolhemos dava acesso a tudo e tinha os "audioguides" incluídos =  25.00€ cada bilhete.
...e mais uma vez, os meses mais quentes são perfeitos para desfrutar do charme dos jardins E-N-O-R-M-E-S. Saí de lá com uma estafa daquelas e a arrastar os pés.

Coisas Práticas:

Planificação das viagens - apesar das prioridades se alterarem, mantenho o modus operandi pré-viagem:
- descobrir bilhetes de avião em conta;
- marcar hotel -sempre com possibilidade de desmarcar - pode haver algum contra-tempo e também pode aparecer outra oferta de alojamento mais interessante;   
- ler e pesquisar sobre o destino;
-consultar e escolher um bom guia - a internet tem muita coisa, mas estando num local estranho e por vezes sem internet, convém ter uma suporte confiável em papel ;
-estabelecer um roteiro e actividades que quero fazer;
Depois de chegarmos ao destino, vamos ajustando a planificação. É uma das minhas tarefas da noite: olho para os mapas, para as notas e decidimos o que fazer no dia seguinte - depende das condições atmosféricas, das áreas que concluímos ter mais interesse, do cansaço acumulado...

 Guias Lonely Planet e American Express
Já na cidade - comprei o mapa "Paris Monumental" - muito prático porque tem os desenhos das atrações.
Já o meu jeito de dobrar os mapas é nulo. Andam sempre amaranhados!

Alojamento

Nas primeiras vezes, o alojamento era tratado pela agência de viagens - Apesar de ter sido há pouco mais de 10 anos, a internet ainda não oferecia serviços assim tão confiáveis. 
Também me alojei algumas vezes nos "Ibis". Luxo não há, mas os preços era simpáticos e para dormir 1 ou 2 noites era perfeitamente aceitável.

Em 2009, ficamos no  Grand Hotel Français marcado no "booking.com"- onde aliás faço quase 100% das minhas reservas e estou muito satisfeita (apesar de procurar em outros sites igualmente fiáveis) 

O hotel estava localizado na Rue Boulevard, perto da saída de "Voltaire". 

Não é muito grande, mas é limpo e o serviço decente. 

Normalmente, um dos meus requisito nas marcações de alojamento, é ter metro à porta - ou em alternativa, outro meio de transporte disponível...  Acreditem que, quando passamos o dia a andar de um lado para o outro, só queremos subir a escada do metro - se ainda houver força para isso - e não dar mais de 10 passos até à entrada do Hotel. Está perto da saída de Rue de Boulets.

Ficou cerca de 125.00€ por noite.

Aeroporto e transportes

Fomos para Charles de Gaulle e regressamos por Orly. 
Qualquer um dos aeroportos tem óptimas ligações com o centro da cidade por RER , M ou autocarro.
 

O metro está mais para obra de arte do que para simples utilizações como meio de transporte. Obviamente que depende da estação, mas acho que são todas charmosas à sua maneira.
A rede é mesmo muito extensa e por isso permite que se vá directamente para qualquer ponto da cidade. Atenção que em certas estações de metro em que passam várias linhas é possível andar quase 1km "subterraneamente" para seguir pela linha certa. "Republique" é um exemplo disso.  

Se a primeira paragem a seguir ao aeroporto for o Hotel, é importante saber o caminho a seguir. Andar com as malas a subir e descer escadas, para depois descobrir que afinal a paragem não é ali, não me parece uma ideia atractiva.
 

 
Na altura não havia cadernetas ou passes de dias e por isso, compramos cadernetas de bastantes bilhetes.

Outras ideias

Passeios de barco  no Sena - Fiz uma ou duas vezes e é engraçado porque também se pode sair em diversos pontos turísticos, mas acho que funciona melhor com o tempo quente.

Mercados de Rua - há para todos os gostos e feitios.  

Fazer compras em Paris
Se a minha carteira fosse recheada, havia muito por onde gastar.
Não sendo assim, ficam algumas dicas de sítios moderadamente em conta:

Monoprix - Há um em cada esquina. É uma especie de parafarmácia/supermercado que vende desde cremes, perfumes, roupa...e até comida.  A oferta, depende da localização e do tamanho da loja, mas garanto que há promoções muito interessantes, especialmente a nível de cremes que ficam mais baratos que em Portugal. Neste ramo, se houver alguma coisa que estejam interessadas verifiquem o preço por aqui e já dá para estabelecer uma comparação mais adequada. Muitas vezes até vemos as coisas, mas ficamos na dúvida se é mais barato num sitio ou noutro, e a boa a oportunidade acaba passando!

Sephora - Nos Champs Elysée - Já mencionei em cima. Agora não é assim uma novidade tão grande, mas não deixa de ser uma atracão turística. Merece visita só para ver aquele mulherio histérico.

Galerias Lafayette e Printemps - Como já disse acerca da Lafayette, vale a pena pelo menos dar um voltinha. Comparativamente com o que temos em Portugal, é uma espécie de "El Corte Inglés". Os dois armazéns são bem pertinho um do outro.

Loja da Disney - Nos Champs Elysée. Se tiver filhos = não entrem...ou corre o risco de comprar mais do que precisa.

Comer em Paris

Nos Hotéis onde se alojamos, é usual darem indicações de locais e restaurantes a visitar. Até acredito que sejam bons sítios, mas sinceramente, nunca segui as indicações, uma vez que os preços não estão de acordo com o que posso gastar.

McDonalds - Tento evitar, mas também não é um bicho-papão. Tudo depende do que escolhemos. Se queremos temos mesmo de balancear o orçamento, é uma opção a considerar. 

Pret a manger - Cadeia de comida rápida sem ser tão gordurosa! Sandes, saladas, sopas...mesmo se a intenção for take away pode sempre pedir para levar que eles preparam o saquinho. 

Lafayette Café - no topo das Galerias Lafayette. 

Esplanadas - Sentar-se numa esplanada e desfrutar o ambiente parisience "c´est bon". Atenção ao precário. 

Au revoir!

Comentários

  1. Muito bom :D Sabes que sonho com o dia em que vou voltar a Paris com o Pedro, mas ele alega que já foi lá vezes suficientes para uma vida inteira (foram só três!) ;) É sempre uma cidade muito bonita :) Ainda bem que escreveste isto, da próxima vez que for a Paris vou dar uma lida nisto ;)

    Beijinhos :)

    P.S.: Eu gostei dos Invalides! ;)

    ResponderEliminar
  2. A minha lua-de-mel foi em Paris, mas mais do que a cidade em si, queríamos mesmo ver a EuroDisney. Ficamos lá 5 dias de sonho e 5 dias em Paris que por acaso até me desiludiu. Penso voltar lá (aos 2 sítios) com a Bibi, quem sabe fico a gostar mais de Paris, tal como tu. Beijo

    ResponderEliminar
  3. Olá! Gostei da tua viagem. :)
    Fui a Paris em 2007, se não me engano, e desses locais que referiste só me ficou a faltar Versailles, já que optámos por ir à Disney.
    Na altura fui pela insistência de amigos, não tinha aquele apelo da Cidade das Luzes, mas depois fiquei a gostar bastante.

    Beijinhos e bom Natal!

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Um caso cabeludo...

Como é do conhecimento geral ( ou não!), a minha "área capilar" é dos sítios onde mais dinheiro tenho investido. Isto desde 2000 e troca o passo...
Sabem quando as mulheres se sentem invejosas com alguma coisa no corpo de outra mulher? Pois...a coisa que eu mais invejo é uma farta cabeleira e ver cabelos novos espetados a nascer! Esqueçam lá as coxas trabalhadas e os braços definidos! Se eu pudesse açambarcar alguma coisa de outra pessoa, era um cabelo mais farto.
Com a gravidez, não dava para fazer grande coisa, já que a maioria dos produtos eram contra indicados. Estava perfeitamente mentalizada que só iria retomar os tratamento lá para Outubro (supostamente seria quando deixaria de amamentar). Como as coisas tomaram outro rumo, deixou de haver razão para não atacar o mal pela raiz!
Alguns dias depois de ter parado a amamentação por completo, voltei aos cuidados capilares. Durante a gravidez o cabelo andou "o normal". Não senti "aqueles" benefícios tod…

Cuidados da pele - Rotinas e ácidos "The Ordinary"

Não sou dermatologista, nem facialista, nem especialista de coisa nenhuma, por isso a informação deste post reflecte a minha experiência pessoal e o que tenho pesquisado e lido em publicações que considero fidedignas.
Se me falassem há uns anos de "peeling" ou achava logo que era uma coisa muito radical e por "exfoliante" entendia que era aquela pasta dolorosa tipo "areia com agua". Com as pesquisas, fui entendendo as coisas de uma maneira diferente.

Adoro ouvir falar quem sabe realmente sobre produtos e explica as coisas de maneira que os leigos entendam. Recomendo vivamente duas senhoras que trabalham na "beauty industrie" : Caroline Hirons (UK) e  Stephanie Nicole (US) .

A minha pele da face sempre foi "boa". Não tive grandes crises de acne, nem marcas muito visíveis e sempre suportou confortavelmente as minhas oscilações de peso. Nos últimos anos, tenho-me preocupado mais com a qualidade da pele e menos com a maneira de disfarçar as im…

Hormonas e os seus efeitos colaterais

A queda de cabelo é um grande problema que tenho. Na realidade sofro de alopecia androgenética, ou seja "calvice tipicamente masculina". Vou controlando a situação com tratamento: gotas + pílula Diane 35 + Androcur. Este medicamente é o meu milagre e o meu desespero! Na Bula: "O Androcur é um medicamento hormonal que bloqueia o efeito de androgénios...; tem influência favorável em situações androgenodependentes, tais como crescimento excessivo de pêlos no hirutismo (NOT ME), perda de canelo (alopecia androgenética)..."(ME, ME!!!) Não é nada de alarmante porque me acontece SEMPRE que retomo o tratamento. Já tenho esta prescição há uns 3 anos e depois de alguns meses, faço uma paragem que acaba por coincidir com as alturas em que consigo andar mais equilibrada na balança.Tive de retomar o tratamento, mas estou expectante de que esta fase de adaptação, que costuma durar uns 3 a 4 meses, passe depressa. Os efeitos secundários em mim e que estou a sentir agora: Tensão Mamá…