sábado, 10 de setembro de 2011

Um bocadinho de mim - Comida na minha vida

Na sequência do post de ontem e dos vossos comentários acho que se justifica outro post de reflexão.
Facto da minha vida: sempre pensei muito em comida e irei sempre pensar muito em comida.
Com 31 anos tenho consciência de que sou assim e isso não vai mudar - a menos que invista na terapia longa e dispendiosa, o que não me parece viável. No entanto, os meus pensamentos sobre a comida têm vindo a modificar-se ao longo dos anos. Os meus traumas com comida já vêm da infância! Sempre fui "come e dorme" como a minha mãe ainda diz. Os meus pais tinham "herdado" uma pequena mercearia da minha avó, e a partir dos meus 5 anos eu tinha uma loja inteira à minha disposição. Se queria um chocolate, dava 10 passos entre o meu quarto e a loja e comia o chocolate. A seguir ainda podia comer outro. Se queria bolachas, bolinhos secos, batatas fritas, o procedimento era o mesmo! Adoro a minha mãe, mas ela não é uma pessoa que se preocupe com alimentação porque simplesmente para ela, comer é um sacrifício: basicamente só gosta de leite e pão! Por isso, tanto eu como a minha irmã fazíamos o que queríamos na área alimentar. A situação manteve-se assim até aos meus 17 anos e deveria pesar uns 72kg Entre os 17 e os 20, as coisas não foram fáceis a nível emocional e descarreguei tudo na comida. Resultado = 100kg (ou bem perto disso). No dia 6 de Abril de 2000 resolvi que não queria mais ser assim e comecei a mudar as coisas muito lentamente. Desde  ai  perdi muito peso, reencontrei algum, perdi novamente e desde que comecei o blog em Abril de 2010 estava com 72.400kg (apesar da balança ter chegado aos 56kg em Outubro de 2006). Entre o Verão de 2010 e Inverno de 2010/2011, oscilei entre os 60kg e os 67kg. Ou seja, as minhas diferenças entre o Verão e o Inverno têm vindo a diminuir e o que quero é apenas variar uns 5kg ,no máximo, entre o Verão e o Inverno.
Mas isto tudo para confirmar que a comida sempre esteve no meu pensamento e que por mais voltas que a vida dê, vai sempre continuar.Se estou numa fase menos boa, os meus pensamentos, para além dos saudáveis que me ocorrem muito naturalmente, fogem para todo o lado: apetecia-me isto, aquilo e parece que ando obcecada em comer o que me aparece à frente;
Se estou numa fase mais serena apenas penso em alimentação saudável e quantidades adequadas, mas penso na mesma! Tenho de pensar. É evidente que as minhas emoções estão muito ligadas ao conforto que a comida erroneamente parece transmitir, mas só consigo andar bem, se a alimentação também andar encaminhada e isso passa por ter as refeições pré planeadas. Ao f-d-s, se saio de casa, levo os lanchinhos, a garrafa de água. Preocupo-me em comer a horas certas, porque se comer mais tarde, acabo por ingerir mais calorias e o meu corpo não vai receber os nutrientes quando realmente precisa deles.
O segredo está em conseguir o equilíbrio - palavra mais desejada do meu vocabulário- mas isso implica dedicação, serenidade, consciência - coisas que nem sempre dependem de nós, por isso o melhor mesmo é controlar o que posso e não o que ficar em ânsias com o que me escapa.
Papas de hoje - com sultanas...
Faz-me lembrar o outono
A acompanhar bebida de soja com café

17 comentários:

  1. "... o melhor mesmo é controlar o que posso e não o que ficar em ânsias com o que me escapa." - Palavras de muita sabedoria que me deram que pensar...
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Olá Luci =)

    Gostei imenso do que acabei de ler..são palavras muito sinceras e que tocam a todas nós..

    acho que és um vencedora por estares agora como estás!

    Parabéns!!!

    beijoo

    ResponderEliminar
  3. Gostei de conhecer mais a fundo a tua história e perceber que te conheces assim tão bem.

    Sofro do mesmo mal que tu, e a minha força de vontade vai e vem conforme o estado de espírito. Comigo também tudo gira à volta da comida... Se estou feliz, como, se estou triste como ainda mais, Adoro cozinhar e de tudo o que gira à volta da cozinha, o que me provoca oscilações enormes de peso ao longo de um simples ano. A minha maior oscilação de peso entre ganho e perca foram 14 kilos, altura em que fiquei magra demais ao ponto de ficar doente... Tento constantemente esse equilíbrio de que falas mas por vezes e durante longos meses,custa-me a encontra-lo... Diga-mos que preciso voltar ao freakveggie on diet (leia-se dieta) mas não tenho tido a força necessária e os kilos estão-se a apoderar de mim.

    Obrigada por estares sempre aí e por teres partilhado a tua história. Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Ah e para dizer que o meu problema não são as refeições, mas o que como ENTRE as refeições!!!
    Nem te digo nada...

    ResponderEliminar
  5. Quem olha para ti, para o teu corpo não imagina que algum dia pesaste 100Kg. Conseguiste trabalhá-lo muito bem e até há pouco tempo pensava que eras daquelas pessoas que sempre pesou 60 - 65Kg e se achava gorda.
    Sinceramente, tu inspiras-me, porque tu és eu daqui a algum tempo, espero.
    Revi-me em cada palavra que escreveste. Estou a começar a aceitar que inevitavelmente o exercício tem de fazer parte da minha rotina.
    Por isso, daqui por um ano quero escrever exatamente o mesmo que tu. Que escolho sempre a opção mais saudável.
    Obrigada Luciana, por me compreenderes e inspirares.
    Beijo

    ResponderEliminar
  6. Realmente Luciana, devo e fico muito feliz por te desejar os meus mais sinceros parabéns pela tua caminhada, pela tua força... Não é fácil e conseguis-te!!! Obrigada por partilhares connosco!!!

    ResponderEliminar
  7. Es realmente uma vencedora, para alguém que já esteve nos 100 kg, estar nos 50 e tal é uma grande conquista.
    Eu também sempre uma relação do género com a comida, a minha mãe tem boa mão para a cozinha, faz sempre comida a mais e o bonito era encher o prato.
    Beijos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. Também sempre dependi muito do "conforto" da comida e o simples facto de reconhecermos isso e tentarmos mudar (fazendo da comida uma aliada e não uma inimiga), é meio caminho andado para o sucesso!
    :)

    ResponderEliminar
  9. Sou tal como tu.. penso no que vou comer, não saio de casa sem os meus lanchinhos, quer seja de manhã ou de tarde e faço-os às horas que costumo. Acho que não é nada de exagerado, é apenas como sou. Desde que para ti isso funcione, é o que importa :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Já somos duas, ou pelos comentários, muitas mais...sempre pensei muito em comida e sempre pensarei...mas o importante é aprendermos a lidar com isso, sem descontrole e parece que vamos conseguindo :)

    ResponderEliminar
  11. Tem piada, sempre achei que eras muito controlada e desde sempre. Pensava que tinhas pesado 100kg uma vez na vida por algum desaire, mas entendo agora que não. Estás de parabéns por esse controle e essa forma de encarar a comida.

    ResponderEliminar
  12. Obrigado pelos comentários!!
    Escrever de uma forma sincera e partilhar a minha história ajuda-me a exteriorizar a minha relação com a comida. Espero que sintam que não estão sozinhas. Apesar de ser um "trabalho individual" e de só aprendermos com os nosso próprios erros, se formos trocando experiências, fica mais fácil!

    ResponderEliminar
  13. Há sempre uma história por trás de uma pessoa. Deve ser duro teres sido tu a tomar essa decisão, a de querer mudar. Deve ser duro olhar ao espelho e ver que precisamos de mudar porque chegamos a um ponto que senão fizermos nada só vamos piorar ainda mais.

    É nisso que agradeço à minha mãe, a importância que ela sempre deu à alimentação, ao ser raro comermos fritos ou gorduras em excesso. Ela fazia os nossos bolos para levarmos para a escola, os doces de comprar nunca muitos e legumes e saladas estavam sempre presente em todas as refeições durante todo o ano.

    Os sumos eram naturais ou água. Refrigerantes vieram com a adolescência e rebelião lol.

    Mas neste momento estás onde estás e isso é um motivo de orgulho.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Eu nunca tive problemas com a comida! como de tudo e não engordo! sei que é raro.. mas existem pessoas assim! Tambem sempre fui muito ac tivo.. não paro quieto um momento.. que tambem ajuda a perder muitas calorias. Daí... eu ser magrissimo! bom... dizem que as pessoas magras vivem mais tempo... quero chegar aos 100 anos :)

    ResponderEliminar
  15. Percebo perfeitamente o que vai na tua cabeça, trabalho todos os dias para moldar o meu cerebro só para as escolhas saudaveis, é um prcesso moroso, mas possivel e es a prova disso, dessa força...vejo-te como um exemplo a seguir. Obg pela partilha

    ResponderEliminar
  16. Olá!
    O teu texto poderia reflectir palavras minhas!
    Sofro exactamente do mesmo problema, e tenho plena consciência, que esta luta com o peso/comida será eterna. É fácil desleixar-me um bocadinho e logo a balança dispara, até porque quando surge um pecado, surgem dias seguidos no mesmo!
    Confesso que está a ser muito difícil para mim. Neste momento aumentei de peso no Verão devido aos excessos das férias (eu sou ao contrário, o Verão é que é complicado e de excessos) e agora estou num recomeço!
    Confesso que tenho medo de não ser bem sucedida, até porque ainda não consegui nem uma vez descer até ao quer queria, para poder manter!

    ResponderEliminar